MMA do Brasil apoia a Declaração Universal de Bem-Estar Animal

O ministro Carlos Minc abriu a cerimônia de assinatura, no dia 14,  lembrando seu longo envolvimento com a causa da proteção animal e com a Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA, sigla em inglês)  "desde as manifestações contra a farra do boi nas ruas do Rio, há muitos anos" até o seu apoio pela criação de uma Declaração Universal de Bem-Estar Animal, como propõe a organização. Minc disse que não podia se furtar a assinar o documento, seja como cidadão, seja como ministro hoje responsável pelo imenso patrimônio da fauna silvestre brasileira, que já tem centenas de espécies ameaçadas de extinção. Ele prometeu também ao diretor da WSPA Brasil, Antônio Augusto Silva, apres entar o documento ao presidente Lula e convencê-lo das vantagens do nosso País também se tornar um signatário.

"A assinatura do presidente seria uma sinalização forte de que o país está preocupado com o bem-estar dos animais e pode ter repercussões positivas até para a comércio internacional ", ponderou Minc. "Com esse gesto, o Ministério do Meio Ambiente dá um sinal claro de que está preocupado com a proteção animal em escala global. É mais uma prova de que não é possível pensar na questão ambiental sem levar em conta o bem-estar dos animais", avaliou Antonio Augusto, diretor da WSPA no Brasil.

 

O ministro Minc é mais um dos signatários que apoiam a Declaração, dentre outros governantes e membros de governo, como o Presidente da Costa Rica e Prêmio Nobel da Paz, Oscar Arias, o Ministro do Meio Ambiente e das Florestas da Índia, dentre outros. O apoio do MMA está em sintonia com a opinião dos brasileiros, uma vez que o Brasil é o segundo país com maior número de participantes no abaixo-assinado pela Declaração: mais de 232 mil, perdendo apenas para os Estados Unidos, que têm mais de 327 mil.

 

Por parte do público, em breve o abaixo-assinado irá alcançar o impressionante número de 2 milhões de participantes no mundo todo. Trata-se de um forte indício de que o bem-estar animal é uma preocupação mundial e, como tal, precisa ser considerado pelos governos das nações. Resta agora ampliar cada vez mais o apoio político internacional de forma a fortalecer a criação de um texto pela proteção animal para votação no Plenário da ONU, que seja consenso entre os países membros das Nações Unidas.

FONTE: WSPA